No dia 24 de abril, foi realizada a apresentação da Oficina de Libras do Campus Realengo II. Estudantes e servidores interessados em participar devem se inscrever no Napne do campus. As atividades terão início no mês de maio.

RIO DE JANEIRO – Desde o ano letivo de 2017, o Núcleo de Atendimento a Pessoas com Necessidades Específicas (Napne) do Campus Realengo II promove ações para estimular os alunos a aprenderem Libras.

Um dos destaques foi o projeto de videoaulas do professor Roberto Irineu em parceria com o Napne. A iniciativa rendeu ao campus o terceiro lugar na III Feira Estadual de Inovação e Tecnologia. Um dos diferenciais do projeto foi a tradução para Libras feita pela aluna Bruna Poubel.

Em 2018, após a chegada da Tradutora de Libras Agne França, os primeiros ensaios envolvendo a Língua Brasileira de Sinais ganharam proporções ainda maiores. São eles: a abertura de inscrições para as oficinas de Libras 2018, o treinamento básico para servidores que atendem diretamente ao público, o uso de LIBRAS nas aulas de robótica e a criação do “teatro surdo”, seguindo o “teatro cego” de 2017.



O evento de divulgação da oficina foi realizado pela equipe do Napne composta pelo professor André Tato (coordenador), Clemilton Lopes (revisor de Braille),  Agne França (tradutora de Libras) e  Michelle Oliveira (pedagoga) e contou com o apoio do CIEE.

Fonte: Colégio Pedro II

Comentários no Facebook