William Machado tem 15 anos e é aluno de uma escola de Sorocaba; ele levou à direção o projeto “Palavras Não Bastam” para que os alunos tivessem acesso a aulas de libras.

Uma escola de Sorocaba (SP) decidiu contratar um intérprete de libras para dar aulas para os estudantes. A ideia veio de um aluno que precisou aprender a língua para poder se comunicar melhor com a mãe, que é deficiente auditiva.

O aluno William Machado da Silva, de 15 anos, sentiu na pele a importância dessa comunicação para os deficientes auditivos, e logo levou a ideia das aulas de libras para a direção da escola.

“Se fala muito sobre inclusão e, muitas vezes, só falamos e não praticamos o ato em si. Existe uma dificuldade das pessoas que têm deficiência em se sentirem mais inclusas. Então, ensei nesse projeto, chamado “Palavras Não Bastam”, para tornar a escola um local mais acessível e inclusivo”, disse.

Após muita procura, a escola contratou a Cristiane Kaltner, que é intérprete e já foi professora de português mas, atualmente, mora nos Estados Unidos. Ela contou que está muito animada e que vai trabalhar de forma voluntária.

“O prazer é de ensinar, isso me deixa muito feliz. Fico muito feliz em saber que existe essa procura tanto de jovens, quanto de adultos [pelo conhecimento]”, contou.

As aulas são virtuais e ministradas uma vez na semana. Até o momento, a sala possui 16 alunos e está com vagas abertas. Segundo a diretora da escola, Kátia Marques, as aulas fazem da escola um local mais acolhedor e inclusivo.

“Está sendo muito bom, não só para os alunos, mas para pais e alunos de outras escolas, e temos a intenção de continuar para que nossa escola seja sempre acolhedora e inclusiva. Para que todos sejam recebidos bem e possam se comunicar”, explicou.

Fonte: G1

Comentários no Facebook