No início da semana passada, o Paysandu Sport Club apresentou uma iniciativa inédita no Brasil. Pela primeira vez, uma intérprete de Libras, a Língua Brasileira de Sinais, foi utilizada para acompanhar as entrevistas coletivas de imprensa no Estádio da Curuzu. Com repercussão nacional, a ação ganhou destaque dentro do cenário esportivo e social.

A fim de aprimorar ainda mais a ação desenvolvida pelo clube, a Diretoria de Responsabilidade Social convidou, na tarde do último sábado (12), um grupo de surdos para um encontro, com o objetivo de aperfeiçoar a tradução simultânea de Libras para os torcedores surdos.

A conversa foi conduzida pela vice-presidente de Operações do Paysandu, Ieda Almeida, que pôde entender melhor sobre quais ações são necessárias para melhorar e qualificar ainda mais o trabalho. Os convidados também puderam entender e conhecer os planos do clube.

Professor de Libras da Universidade Estadual do Pará (UEPA) e tradutor e intérprete há quase dez anos, Ozivan Santos enalteceu a iniciativa do Paysandu e destacou o interesse da diretoria em querer qualificar a tradução simultânea nesta linguagem. “É muito comum a gente falar sobre a questão social, que é louvável, mas destaco a inclusão linguística que o Paysandu está se preocupando. Infelizmente tivemos alguns problemas com essa atividade, mas que já se foi conversado e tudo ficou entendido. Vamos ajudar o Paysandu a melhorar esse trabalho muito bonito que eles estão desempenhando”, afirmou.

O educador também destacou a importância dessa atividade. “Esperamos que outros clubes possam copiar essa iniciativa do Paysandu e quem sabe até outras competições grandes como a Copa do Mundo e as Olimpíadas possam adotar essa iniciativa e fazer que nem o Paysandu, que está se importando com uma parte da sua torcida que possui a surdez e necessita da Libras para se comunicar”, completou.

Ieda Almeida destacou as várias felicitações recebidas em diversos locais. “Nós percebemos que a pessoa que veio de maneira voluntária nos ajudar ficou muito nervosa e acabou não conseguindo atingir totalmente a comunidade dos surdos. Então, percebendo que precisávamos de um apoio maior, chamamos esses representantes para nos ajudar e nos indicar pessoas que possam atender a necessidade dessas pessoas”, disse.

A dirigente ainda ressalta que, dentro dos vários programas existentes no Papão, o projeto tomará mais corpo e atenderá de maneira mais ampla esse público. “Não adianta a gente só fazer um projeto. Temos que atender e atingir as pessoas beneficiadas, pedimos até desculpas aos surdos por não termos atingidos inicialmente e preocupados com isso, é que nós percebemos agora que era preciso chamar a comunidade dos surdos para nos apoiar nessa nossa ação”, concluiu.

Desde 2017, quando o Paysandu criou a Diretoria de Responsabilidade Social, diversas ações foram feitas com a intenção de trazer a inclusão social dentro do clube bicolor. Atividades como a ação Dente de Lobo, que leva palestras sobre saúde bucal para diversas comunidades carentes da capital e também de municípios vizinhos, além de apoio para outras atividades sociais desenvolvidas por outros grupos, destacam o envolvimento que o clube tem com uma gama da sociedade que necessita de amparo. Outras atividades ainda serão desenvolvidas no decorrer deste ano, atendendo diversas comunidades.

Fonte: http://www.paysandu.com.br/noticias/5663/paysandu-convida-grupo-de-surdos-para-aprimorar-trabalho-de-interpretacao-de-libras?pagina=3

Comentários no Facebook