O Senado adiou para o dia 25 de maio a votação de um projeto que inclui novos itens na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional para qualificar a educação bilíngue de surdos como uma modalidade de ensino independente.

A educação bilíngue, nesse caso, tem a Língua Brasileira de Sinais como primeira língua e o português escrito como segunda língua. Por solicitação da senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP), deve ser promovido no dia 21 de maio um debate temático com entidades de pessoas com deficiência auditiva

A proposta seria votada nesta quarta-feira, mas, por solicitação da senadora Mara Gabrilli, do PSDB de São Paulo, foi decidido que antes será feito um debate temático no plenário.

(Mara Gabrilli) O que a comunidade dos surdos sinalizantes almeja é o que todos nós almejamos. E a gente só quer aumentar o debate e quer, para que todos os surdos sejam ouvidos, que o surdo tenha a humildade de ouvir o outro. E tenha a humildade de ouvir alguém que funciona de uma forma diversa que a gente. Há muita diversidade na comodidade surda. E a gente precisa debater.

De autoria do senador Flávio Arns, do Podemos do Paraná, o texto determina que os sistemas de ensino deverão assegurar aos alunos surdos materiais didáticos e professores bilíngues com formação adequada. Também estabelece que a oferta de educação bilíngue deve começar já no início da educação infantil.

Além disso, prevê que a União será responsável pelo apoio técnico e financeiro dos sistemas de ensino no provimento da educação bilíngue e intercultural às comunidades surdas, desenvolvendo programas integrados de ensino e pesquisa.

Flávio Arns diz que a aprovação do projeto pode colaborar na elaboração de políticas públicas. (Flávio Arns): Isso permitirá na LDB, sendo transportado para lá, que os ministérios tenham uma política específica para isso, que possa atender em iniciativas bilíngues a comunidade surda que precisa ter uma atenção nesse sentido O projeto teve origem em uma sugestão da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos.

Fonte: Rádio Senado

Comentários no Facebook