Prisão aconteceu durante a 1ª fase da operação Inaudível. Ela se oferecia para ajudar e não repassava os valores às vítimas.

Uma mulher surda foi presa nesta terça-feira (27) investigada pelo crime de estelionato. De acordo com a Polícia Civil do Amapá, ela é apontada como responsável por um esquema que causou prejuízos contra, pelo menos, 10 pessoas nas cidades Macapá e Santana. Todas as vítimas têm a mesma condição dela: surdos.

A suspeita foi alvo da operação Inaudível, da 9ª Delegacia de Polícia, e teria faturado mais de R$ 30 mil com o golpe. O nome dela não foi informado e o G1 não localizou a defesa.

A investigada, de 28 anos, agia convencendo as vítimas assinarem um documento de empréstimo numa agência bancária e ficava com todo o dinheiro que era depositado na conta.

Além disso, a mulher ameaçava de morte as pessoas com deficiência quando descobriam que se tratava de um golpe.

A prisão ocorreu na casa da suspeita no município de Santana. O delegado Abraão Almeida, titular da 9ª DP, detalhou ainda que a mulher ficava com o dinheiro e dizia às vítimas que nenhuma quantia havia sido creditada na conta bancária.

“Com a promessa de valores diversos, a suspeita fez com que esses surdos assinassem um documento de empréstimo. Contudo, como era ela que ficava em poder do cartão e da senha, assim que o dinheiro era creditado na conta, ela se apropriava e depois entrava em contato com as vítimas informando que nenhum valor havia sido liberado”, contou.

Ainda de acordo com Almeida, na 1ª fase da operação colheu depoimento de 9 vítimas. As outras pessoas que caíram no golpe serão chamadas nas próximas fases da Inaudível. O prejuízo das vítimas pode chegar a quase R$ 100 mil, segundo o delegado.

“Acredito que [o prejuízo] possa chegar a quase R$ 100 mil, pois somente na 1ª fase o prejuízo ultrapassa 30 mil, e informes indicam que ainda restam quase 20 vítimas a serem ouvidas. Cada vítima conseguia R$ 3 mil de empréstimo”, disse.

De acordo com a Polícia Civil, a mulher será encaminhada para a penitenciária feminina, na Zona Oeste de Macapá.

Fonte: G1

Comentários no Facebook