Comitê Internacional se reuniu no sábado (5) e decidiu não autorizar a participação no evento em Caxias

O Conselho Executivo do Comitê Internacional de Esportes de Surdos (ICSD) esteve reunido no sábado (5) para discutir os reflexos da invasão russa, em território ucraniano, no âmbito do desporto surdo. Responsável pela 24ª Surdolimpíadas de Verão, a entidade decidiu acolher as recomendações do Comitê Olímpico Internacional (COI) e do Comitê Paralímpico Internacional (IPC).

Durante o encontro online, ficou definido que nenhum atleta surdo ou oficial da Rússia e da Bielorrússia será convidado ou autorizado a participar de competições internacionais no calendário do ICSD, como nos Jogos de Caxias do Sul. A decisão vale até um novo comunicado. A entidade ainda decidiu cancelar a modalidade de Boliche devido ao alto investimento, já que 16 pistas seriam montadas no Parque da Festa da Uva.

— A anunciada exclusão das equipes da Rússia e da Bielorrússia traz impactos econômicos consideráveis ​​para a organização das Surdolimpíadas de Verão de Caxias 2021. A Comissão Organizadora decidiu cancelar o programa de Boliche, devido aos requisitos técnicos estabelecidos, requer um investimento muito elevado e do qual nada ficará para trás. Além disso, a equipe econômica do Comitê Organizador dos Surdosolímpicos de Verão de 2021 está trabalhando na redução de outras linhas de despesas que não interfiram na qualidade e entrega de outros esportes e infraestrutura — diz o comunicado.

A Rússia era a maior delegação programada para vir ao Rio Grande do Sul. Com 456 surdoatletas, o país ficaria em três hotéis, dois em Caxias do Sul e outro em Farroupilha. Na última edição, em 2017, na Turquia, a Rússia foi o líder no ranking de medalhas com um total de 199 medalhas. Foram 85 de ouro, 53 de prata e 61 de bronze. Nos jogos passados, a Bielorrúsia foi com uma delegação de 43 pessoas. 

Com país sob ataque, a Ucrânia ainda não confirmou participação na competição que inicia em 1º de maio e se estende até o dia 15 do mesmo mês. A previsão inicial era receber 320 surdoatletas ucranianos. Com essa dúvida e as restrições impostas aos outros dois países, o número de participantes irá reduzir em mais de 500 participantes. No começo do ano, a ideia era alcançar o número de até 6.500 pessoas na edição deste ano.

O Conselho Executivo do ICSD ainda justificou a sua decisão afirmando que o esporte é um instrumento para promover a paz e expressou a sua solidariedade à comunidade esportiva surda da Ucrânia, assim como todas as pessoas afetadas. O presidente da entidade, Gustavo Perazzolo, também demonstrou sua preocupação com os atletas da Ucrânia.

— Estamos muito preocupados com nossa Federação Nacional de Esportes Surdos da Ucrânia e com os atletas surdos da Ucrânia. O mundo deve ser um lugar para compartilhar, não para dividir — finalizou o presidente do Comitê Internacional de Esportes para Surdos.

Confira na íntegra  a nota do ICSD

O Comitê Internacional de Esportes para Surdos (ICSD) está entre as últimas federações internacionais a seguir as recomendações estabelecidas pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e Comitê Paralímpico Internacional (IPC) em resposta ao envolvimento da Rússia e da Bielorrússia na invasão da Ucrânia.

Em 05 de março de 2022, uma reunião foi realizada pelo Conselho Executivo do ICSD para discutir o conflito que ocorre na Ucrânia, enquanto as forças russas continuam a atacar cidades ucranianas com a Bielorrússia ajudando na invasão. O Conselho Executivo do ICSD descreveu o esporte como um instrumento para a missão de “promover a paz por meio do esporte”, aderindo às recomendações do COI. O ICSD desejou expressar sua solidariedade à comunidade esportiva surda na Ucrânia e a todas as pessoas afetadas pela guerra.

Nesta situação, o Conselho Executivo do ICSD decidiu que nenhum atleta surdo ou oficial pertencente aos membros plenos do ICSD na Rússia e na Bielorrússia será, com efeito imediato, convidado ou autorizado a participar de competições internacionais no calendário do ICSD até novo aviso.

A anunciada exclusão das equipes da Rússia e da Bielorrússia traz impactos econômicos consideráveis ​​para a organização das Surdolimpíadas de Verão de Caxias 2021. A Comissão Organizadora decidiu cancelar o programa de Boliche, devido aos requisitos técnicos estabelecidos, requer um investimento muito elevado e do qual nada ficará para trás. Além disso, a equipe econômica do Comitê Organizador dos Surdosolímpicos de Verão de 2021 está trabalhando na redução de outras linhas de despesas que não interfiram na qualidade e entrega de outros esportes e infraestrutura.

Gustavo Perazzolo, presidente do ICSD, disse: “Estamos muito preocupados com nossa Federação Nacional de Esportes Surdos da Ucrânia e com os atletas surdos da Ucrânia. O mundo deve ser um lugar para compartilhar, não para dividir”.

Fonte: GauchaZH

Comentários no Facebook