Órgão confirma dificuldades, mas afirma que funcionários foram capacitados; não fluência em libras é apontado como falta de prática devido ao número pequeno de surdos que procuram o local.

Surdos e intérpretes de Campo Grande denunciam a falta de acessibilidade em instituições públicas da Capital. Na manhã desta quarta-feira (21), ao menos duas pessoas com deficiência auditiva tentaram doar sangue na sede do Hemosul, localizada na Avenida Fernando Corrêa da Costa, mas sem funcionários que entendam libras (Língua Brasileira de Sinais), não conseguiram.

“Amigos da comunidade surda tentaram doar e mostrar apoio diante de uma situação, mas não obtiveram respostas. Ninguém sabia língua de sinais e, para ser doador, necessita passar por uma entrevista”, revelou uma intérprete que prefere não ser identificada.

Segundo ela, a doação, inclusive, ajudaria uma paciente surda internada na UTI de uma clínica da Capital, diagnosticada com anemia profunda devido uma bactéria na garganta.

Conforme apurado, a dificuldade dos doadores começa logo no primeiro atendimento. “Todos devem preencher um questionário de duas páginas e, em seguida, é feita uma triagem médica onde são feitas várias perguntas”, detalha a intérprete, que destacou o fato da doação só ser realizada após a finalização destes procedimentos.

O Hemosul, por meio da assessoria de imprensa, confirmou a dificuldade em manter a capacitação de funcionários em libras, mas afirmou que já foram realizados treinamentos com a equipe. Segundo o órgão, como o número de surdos que procuram o local é pequeno, os funcionários não conseguem manter a fluência no idioma por falta de prática.

Em relação ao atendimento desta quarta-feira, o órgão confirmou que três pessoas estiveram no local e que houve dificuldade na comunicação, mas que todos foram atendidos por meio da escrita. Ainda conforme a assessoria de comunicação, o procedimento só não foi realizado por conta de peso e hemoglobina baixos.

Já de acordo com a intérprete, os voluntários tiveram de entrar em contato com o CAS (Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez) para conseguir auxílio de um profissional. A medida, inclusive, é recomenda pela equipe do Hemosul.

“Nós não queremos perder esses doadores e estamos trabalhando para melhorar a capacitação dos funcionários. Nossa recomendação, neste momento, é para que liguem no CAS e façam o agendamento para que o intérprete vá até o local para auxiliar”, recomenda. O voluntário que optar também pode levar um familiar para acompanha-lo.

Melhorias – Ainda segundo o Hemosul, alternativas estão no Plano Diretor do órgão e devem ser colocadas em prática até 2020. Entre as medidas, estão sendo pensados questionários que atendam as demandas de acessibilidade. Além de gravar em vídeo para surdos, um questionário em libras para auxiliar cegos também está sendo planejado, garante o órgão.

Além disso, um funcionário do período da tarde também tem auxiliado na tradução em libras. A capacitação de novos trabalhadores deve ser realizada em breve. Na tarde de hoje, um novo grupo esteve no local, acompanhado de um intérprete, e conseguiu realizar o procedimento.

Direto das Ruas – A sugestão chegou ao Campo Grande News por meio do canal Direto das Ruas, canal de interação do leitor com a redação. Quem tiver flagrantes, sugestões, notícias, áudios, fotos e vídeos pode colaborar no WhatsApp pelo número (67) 99955-2040, pela ferramenta Fale Conosco ou por mensagem enviada via Facebook.

Para que sua imagem tenha mais qualidade, orientamos que fotos e vídeos devem ser feitos com o celular na posição horizontal.

Fonte: Campo Grande News

Comentários no Facebook