Neste segundo semestre de 2021, acadêmicos de Odontologia do UNIDEP têm a oportunidade de cursar a disciplina eletiva de Libras, que proporciona uma formação inclusiva, voltada ao atendimento clínico de pessoas surdas

PARANÁ – No curso de Odontologia do Centro Universitário de Pato Branco (UNIDEP), a disciplina eletiva de Libras tem oportunizado um olhar inclusivo a alunos de três períodos, que estão sendo sensibilizados sobre a importância do acolhimento humanizado da pessoa surda em contextos de saúde. A partir da disciplina, será desenvolvido um projeto de atendimento a surdos realizado na Clínica Escola do curso.

A coordenadora do curso de Odontologia, professora Dra. Christiana Almeida Salvador Lima, conta que além dessa disciplina, os alunos podem escolher entre outras seis disciplinas oferecidas ao longo do curso. “Neste semestre, a disciplina ofertada é a de Libras, em que todos os alunos do curso poderiam se matricular nela. Há, até o presente momento, 66 alunos inscritos e participando dela”, frisa.

Para a professora Christiana, esse tipo de disciplina contribui para a formação humanizada dos alunos, especialmente no refere-se à atuação do profissional de Odontologia. “Com a inclusão, os acadêmicos adquirem uma nova percepção de vida, assim como a sensibilidade de que cada ser humano é único e com características que constituem a grandeza que é o ser humano. Estar numa disciplina como a de Libras permite trabalhar a inclusão, mas, acima de tudo, o respeito e o cuidado às pessoas”, destacou.

A disciplina é ministrada pela professora e intérprete de Libras, Ma. Luciana de Freitas Bica. Nela, os alunos estudam a história do surdo no Brasil e no mundo, em que aprendem os sinais básicos, para os primeiros contatos com o sujeito surdo, o que contempla desde o alfabeto até frases do cotidiano usadas no atendimento clínico. “Os acadêmicos compreendem que adotar a Libras enquanto idioma é uma prática de inclusão”, ressalta Luciana.

Para ela, a inserção da Libras no campo da saúde é uma vitória para a comunidade surda. “Ainda há poucos profissionais que fazem atendimentos na área da saúde, especialmente na Odontologia. A Língua Brasileira de Sinais, na maioria das faculdades, é ofertada somente nos cursos da área da educação, então culturalmente ela não é escolhida como eletiva pelos futuros profissionais na área da saúde. Nós, do UNIDEP, mudamos essa realidade, inclusive somos reconhecidos pela Federação Nacional dos Surdos (FENEIS/PR) em virtude dessa postura”, completa.

Fonte: Unidep

Comentários no Facebook