A turma do 2º período de Odontologia da Faculdade São Leopoldo Mandic recebeu no dia 17 de novembro de 2021 quatro alunos com deficiência auditiva da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Renato da Costa Lima, de Hortolândia (SP).

A visita faz parte do projeto de interação entre os estudantes da Mandic, futuros profissionais da área da saúde, e os alunos surdos do ensino fundamental, realizado na disciplina de Libras pela prof.ª Katia Regina Curado Copia.

O contato com esse público durante a graduação é essencial para que os alunos tenham ideia de como é o convívio com os surdos, público que eles também precisam estar preparados para atender, como futuros profissionais da área da saúde. Segundo a professora Katia, esse tipo de projeto, bem como a disciplina de Libras como um todo, suscita nos estudantes a preocupação em oferecer acessibilidade, o interesse em aprender a atender esses indivíduos bem como o de realizar projetos nessa área.

“O que eu tenho percebido é que a visão desses profissionais para essa diversidade especificamente ficou muito mais ampliada”, explicou a professora Katia que, além de lecionar na Mandic, também trabalha na sala de recursos no atendimento educacional especializado com as crianças do 1º ao 5º ano da EMEF Renato da Costa Lima. “É muito importante para o paciente surdo quando o dentista sabe um pouco de Libras. Os pacientes surdos se sentem muito acolhidos”, contou o professor de educação básica e intérprete Marco Antônio da Silva, que acompanhou a visita.

A visita foi realizada no período da tarde pelos estudantes de Odontologia e contou com um tour guiado pela Faculdade e depois brincadeiras como pique-bandeira, quebra-cabeça, pintura, massinha. Além disso, os futuros dentistas ensinaram às crianças a correta escovação além da sua importância para a prevenção de cáries.

Para muitos dos graduandos, esse foi o primeiro contato com pessoas que se comunicam por Libras. “A maior parte dos alunos conseguiu falar bem com sinais, e as professoras ajudaram bastante com o que não sabíamos”, contou um dos alunos, Pedro Augusto, sobre a comunicação com as crianças. “Seria bom se todo o ano houvesse uma experiência como essa”, concluiu. A estudante Stella Graf Paes contou que a experiência foi muito gratificante e as aulas ajudaram bastante.

Além de sensibilizar os futuros cirurgiões-dentistas, a visita também é uma oportunidade de crescimento importante para as crianças com deficiência auditiva. “Muitas vezes, lá na escola, eles não têm essa visão de mundo”, afirmou Marco. Como explicou a professora de Oficinas de Libras da escola, Heide Martins, que também acompanhou a visita, essa experiência abre um leque de opções profissionais que essas crianças podem escolher seguir no futuro.

Fonte: São Leopoldo Mandic

Comentários no Facebook