Trabalho de Walker Sousa inspirou a primeira edição do Prêmio de Acessibilidade. Soldado já auxiliou em parto de gestante surda e ajudou médicos em atendimento a pacientes surdos.

O soldado do Corpo de Bombeiros e morador de Franca (SP) Walker Sousa recebeu, durante a celebração do Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, uma homenagem por causa dos atendimentos inclusivos prestados por ele à população.

A cerimônia ocorreu na última semana em Brasília (DF) e contou com as presenças da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, do presidente Jair Bolsonaro (PL) e da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.

A história de Walker serviu de inspiração para a criação do Prêmio de Acessibilidade.

Fluente em Libras, a língua brasileira de sinais, o soldado já atuou em diferentes atendimentos inclusivos onde seu conhecimento fez a diferença. Em agosto deste ano, Walker auxiliou, por videochamada, o parto de uma mãe deficiente auditiva em Ribeirão Preto (SP).

Além disso, ele foi crucial durante o resgate de um surdo que era alérgico a um tipo de medicamento. Foi justamente este atendimento que ganhou repercussão e fez com que Walker fosse escolhido como homenageado na cerimônia que visava premiar atividades que promovem a acessibilidade.

“Até agora a ficha não caiu, porque esse evento foi inspirado nesse atendimento. Quando comecei a estudar Libras, nem nos meus maiores sonhos imaginei que isso aconteceria, que um dia eu serviria de inspiração para as maiores autoridades do país. Está sendo incrível”, afirma.

Busca por inclusão
Estudante de Libras há três anos, Walker teve seu primeiro contato com o idioma durante um evento voluntário. Na ocasião, ele não conseguiu se comunicar com pessoas surdas que estavam no local. A partir desse momento, nasceu a vontade de se aprofundar nos estudos.

Um ano após esta experiência, o soldado atendeu a primeira pessoa surda em sua carreira. Dentro de uma viatura do resgate, ele realizou a comunicação com o paciente e colaborou para que uma medicação não fosse ministrada de forma equivocada.

“Ninguém da equipe médica sabia libras e o medicamento que estava sendo preparado para ele era um que ele era alérgico e poderia causar paradas cardiorrespiratórias. Esse atendimento foi filmado, repercutiu bastante e chegou até a equipe da primeira-dama”, diz.

Durante a entrega do certificado de reconhecimento, a primeira-dama Michelle Bolsonaro destacou que a busca por inclusão deve servir de inspiração para todos os agentes públicos.

“Sou grata ao Walker por fazer seu trabalho com amor e empatia. Espero que sua atitude sirva de inspiração para outros agentes públicos”, disse.

De acordo com o soldado, saber que colaborou para que mais pessoas se sentissem interessadas em aprender o idioma é motivo de orgulho e felicidade. Ele aponta que tem visto de perto o interesse de muitos colegas de profissão pelo tema.

“É uma forma de intensificar esse tema, fico muito feliz com a repercussão, em saber que incentivei muitas pessoas a aprender libras e incluir mais essa comunidade”, diz.

Fonte: G1

Comentários no Facebook