Por falta de intérprete de Libras nos comunicados oficiais da Prefeitura e na veiculação midiática de informações, nem todos os surdos recebem as atualizações sobre a pandemia causada pela Covid-19, em Feira de Santana.

Ao utilizar a Tribuna Livre do Legislativo, na sessão desta segunda-feira (21), Dia Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência, a presidente da Associação de Surdos de Feira de Santana, Elaine Vasconcelos, afirmou que esta população enfrenta sérias barreiras na comunicação devido indisponibilidade de intérpretes para garantir a acessibilidade e intermediar o diálogo.

Em meio à pandemia, a situação é agravada especialmente pela desinformação deste segmento sobre a flexibilização das medidas restritivas e de atualização dos dados.  “Às vezes, acabamos saindo equivocadamente para determinados lugares”, disse Elaine na Casa da Cidadania. A Associação enviou diversos e-mails propondo à Prefeitura a criação de uma central de comunicação. Entretanto, o Governo Municipal não respondeu. “É muito difícil ir a  vários lugares, porque não temos intérpretes de Libras.

Muitas vezes, precisamos tirar do nosso próprio bolso para pagar um intérprete e isso é caro, sendo que poderia ser criada esta central, para garantir a nossa acessibilidade”.

Fonte: Câmara Municipal de Feira de Santana

Comentários no Facebook